Se você quer ver o futuro
Saiba que não verá nunca tudo
Pois a variabilidade sempre vence
Prevalece quem a ela se rende
Comédia de situação, sim
Gravada com plateia, sim
Reciclagem de ideia, sim
Para mais de uma geração, sim

Outro retorno, que maravilha
Mais do familiar, mais nostalgia
Mesmos padrões até certo ponto
Novas noções, adequações no reencontro
Apesar de presa à estética tradicional
Atende minimamente ao pedido atual
Fazendo uma mistura não tão audaciosa
Se estabelecendo agradável, não pretensiosa

Raven está de volta no pedaço
Com dois gêmeos debaixo do braço
Solteiras, ela e a doida da Chelsea
Com maturidade que nunca floresce
Cuidam de crianças mais céticas que elas
A temática é exagerada assim, por isso, bela

Um dos pequenos é vidente, olhem só
O mais mimado, justamente, não o pior
As polarizações são sadias e ácidas também
Agora bagunça é dupla, mãe e filho veem o que vem

As mães são responsáveis, na medida do possível
Nunca detestáveis, isso jamais é um perigo
As atrizes se divertem reprisando seus papéis
O destaque é para o elenco aqui pela primeira vez
Pequenos, mas cativantes, em personagens concordantes
Pavios curtos e divergentes, picos de divisões não excludentes
Os ícones são bem formados em sua individualidade
Mas sempre giram de volta ao centro, à amizade
Afinal, é Disney Channel, é sitcom, é para todo mundo
Afinal, não é tentativa de se distanciar do comum

Entre as coisas que voltam
As roupas da Raven brilham por si próprias
Tecidos que juntos se transformam
Formando peças geniais ou horrorosas?

A validade do roteiro pode ser discutida
Pois parte das abordagens são só repetidas
Muitos momentos parecem visões do passado
Até que são eficientes, mas por outro lado…
Quem realmente se destaca é a ala mirim
Sua relevância não é tão simples assim
Eles não têm em que se apoiar preguiçosamente
Sua participação é construída do zero criativamente
São pedaços em mutação, em contraposição
Desconstruções do antigo, da estagnação
Não tão inovadores, não, mas, então…
Pelo menos novos o suficiente, não são não?

O da Chelsea é o que mais entretém
Os da Raven vão bem juntos e separados
A maior regra é driblar a probabilidade dos fatos
O maior objetivo é pegar a bobagem e levá-la além
Além do que ela já foi na série original
Além do que ela pode ser nesse novo arranjo ideal

Tem irreverência, e nela, consistência
A falta de limites é o melhor palpite
O que um dia tanto fez sucesso de novo fará?
O que já foi embora um dia volta para ficar?
As adições feitas são poderosas, sim, e aí?
O empenho vai ser depositado só nelas até o fim?

Disney e um fruto de execução apressada
Felizmente, apresentação não frustrada
Sem ter muito de intrigante, agrada
Uma reunião e só, bem básica
Disney bem acomodada
Apostado nas vacas passadas
Uma mão de tinta e brindes interessantes
Uma aposta conformista sem nada eletrizante


Anúncios