Só mais um desânimo
Um tiro no crânio
Só mais um estalo
Um corpo desovado
Só mais um desencontro
Psicológico em escombros
Só mais um trauma
Uma facada na alma
Só mais um choque
Menos abundância de sorte

Crime organizado, internacional
Dinheiro lavado, lucro sem igual
Várias veias descartáveis descartadas
Várias vidas perdidas em uma só emboscada

A série não brinca. Se atiça, não corre
Entrega sem prometer, com cores e sem cortes
Se firma dualista, cautelosa e sem vergonha
Sabe ser maniqueísta, mas também estronda

Pai de família, filho do crime
Escapa por uma faca de dois gumes
Quando se esquiva, se atinge
Não analisa a corrosão do que nutre
Entra pelo cano, não por muito engano
Por pouco, perde tanto, mas ainda está respirando

Jornada que acelera, que avança sem piedade
Do drama lento usual para a pura brutalidade
Corre o sangue, extermínio de apreensão
Sem tempo para exames ou premonição
Depois o ritmo mais paulatino retorna
Com vestígios da urgência sacal
Agitando até as partes já mortas
Tudo sem fazer o cruel banal

O equilíbrio dos contrastes é eficiente
A parte mais mera não é menos envolvente
Os personagens têm pesos grandes sempre
Até os mais coadjuvantes são pertinentes
Os atores ajudam muito, todos bem escalados
Tiram o máximo do texto, com olhares tênues e chacoalhados

Protagonista problemático, não ao extremo
Nem é todo bagunçado, nem completamente pleno
Faz o melhor do pior que pode, nem sempre tem êxito
É sagaz e ágil o suficiente para disfarçar o desespero

Família que não é só parte da decoração, em parte
A esposa é venenosa e aprendiz, tem suas artimanhas
Compartilha um pouco da periculosidade da arte
É coberta por desconfiança, mas preservada nas entranhas
Os filhos, padrões, clichês, sem suas atenções
Apelos genéricos, sem serem ao menos frustrações

O roteiro é centralizado, um tanto polarizado
Mas se expande com bom senso, com cuidado
Jamais ficamos demais reclusos, encubados
Mas também não temos noção de todo o quadro

A fotografia isola, sonega, embaça, omite
Monocromática, eternizada, identidade firme
Pontos críticos deixados de fora, por ora
Pontos-chave explicitados como ironias da estória

A trilha sonora não enrola, seduz, leva embora
Faz da gente adereço carente de inexistente outrora
Com agudos suaves que se transformam curiosamente
Chegamos aos inesperados, ásperos, pingos estridentes

O suspense é reconstruído ao ser desfeito
Mesmo assim, os picos não perdem seus efeitos
É difícil se atrelar aos poucos básicos defeitos
Pois o prazer é o tempo todo mesmo sem ser prefeito

Netflix com mais um suspense criminal aguçado
Desta vez, nada inverossímil, meloso, forçado
Além de a emoção ser injetada com coerência
Não há fraqueza oriunda da sua constante insistência
Netflix sendo não mais corajosa do que já foi
Netflix sendo tão feliz nas escolhas quanto já foi
Netflix com projeto bem executado de frente e atrás das câmeras
Netflix apenas errando na hora de consolidar uma propaganda


Anúncios